Gestão Ambiental

A Gestão Ambiental propõe ações preventivas como garantia de segurança em relação aos riscos que algumas atividades possam causar à saúde dos usuários e ao ambiente interno e externo do ambulatório.

Objetiva a conquista da qualidade ambiental, controlando todos os processos de suas atividades, a fim de construir uma cadeia segura e ambientalmente correta, que atenda à legislação local, e que esteja dentro do comprometimento de sua missão.

Você também é responsável pela preservação da vida!

Escolha o destino do seu lixo, ou melhor, de seu planeta dentro de sua casa e de seu ambiente de trabalho.

 

PGRSS (Plano de Gerenciamento de Resíduos Serviços de Saúde)

O Ambulatório Médico de Especialidades de Mogi das Cruzes possui o PGRSS, que é baseado nos princípios de não geração e minimização de resíduos, que apontam e descrevem as ações relativas ao manuseio, armazenamento e disposição final, reduzindo os riscos ao meio ambiente, em conformidade com a legislação vigente.

O PGRSS contempla os aspectos referentes à minimização na geração de resíduos, como:

– Segregação

– Armazenamento

– Acondicionamento

– Transporte temporário

– Identificação

– Tratamento interno e externo

– Coleta

– Disposição final

recicle

Uso consciente de Pilhas

Pilhas e baterias contêm metais tóxicos que agridem o meio ambiente e trazem riscos à saúde pública. Quando depositados em lixões e aterros sanitários, esses resíduos que levam séculos para se decompor podem vazar e contaminar os lençóis freáticos, o solo e os rios, causando danos às pessoas e aos animais.

Diante desta preocupação, o Ambulatório adotou medidas para aquisição de pilhas que não contenham substâncias que possam causar contaminação e danos ao meio ambiente.

Resíduo Químico

O Ambulatório tem como consequência a geração de resíduos perigosos, como químicos, em geral. Diante desse cenário, estruturas e processos foram adaptados, para que se tenham recipientes adequados para o descarte e armazenamento, sem risco de vazamento ou exposição ao colaborador e paciente.

Pela importância desses resíduos, o Ambulatório Médico de Especialidades de Mogi das Cruzes investe em treinamentos aos colaboradores para a forma correta de coletar desses resíduos, utilizando equipamentos de proteção individual necessários, e tomando conhecimento de como agir em caso de derramamento. A destinação final é a incineração em local licenciado pelo órgão ambiental.

Consumo Racional de Água e Energia

Dentre outras ações, o Ambulatório Médico de Especialidades de Mogi das Cruzes realiza periodicamente campanhas internas para conscientização dos colaboradores, quanto ao uso de água e energia, trabalha com metas de redução de consumo de água e energia anualmente e busca ações para a redução por meio de rotinas de inspeção de ar condicionado e luz acesa, aquisição de equipamentos mais eficientes, torneiras com temporizador, vasos sanitários com caixa acoplada e projetos ambientais.

Semana do Meio Ambiente

Preocupado com o bem-estar do colaborador do ambulatório e buscando conscientizar a todos dos impactos ambientais decorrentes das atividades exercidas no ambulatório, a equipe que faz parte da comissão do PGRSS organiza e promove anualmente a Semana do Meio Ambiente.

Reaproveitamento de Papel

No ambulatório, entre as ações ambientais praticadas pelos setores faz-se reaproveitamento do papel impresso como rascunho. Papéis que não podem ser reimpressos são transformados em bloco de anotações do setor apenas para uso interno.

O destino final dos papeis é a reciclagem.

Coleta Seletiva

É a ação de separar o lixo na fonte geradora de acordo com o tipo de resíduo. No AME, a coleta seletiva é realizada em todos os setores, tendo em suas áreas administrativas lixeiras de resíduos comuns e recicláveis e nos setores de procedimentos invasivos, além desses dois tipos, há também a lixeira de resíduos infectantes.

Cada tipo de resíduo tem seu descarte e sua destinação corretos. A ação de coleta seletiva auxilia na formação de novos conceitos relacionados à preservação do meio ambiente, e essa percepção é vista a partir do momento em que cada colaborador descarta os resíduos gerados em suas lixeiras correspondentes.